Avançar para o conteúdo

Vencedor

Paulo é um caso feliz, no meio do caos, da vida dura, acabou bem esta história e merece ser contada apesar de já ter uns anos.

O vício do álcool perturbou-lhe a memória. Não consegue situar o tempo. Não se lembra de datas. Também não se recorda de nomes. Faz um esforço.

Com 7 anos fugiu de casa, sem ninguém que o procurasse encontrou Ana, que foi “mãe” uma sem abrigo também e cega, aconchegou-o e comiam os dois, sandes ou bolos que os patrões das pastelarias davam a Paulo a criança. Ana morreu, Paulo voltou a ficar só.

Ao fim de uns anos a mãe procurou-o, não o podia levar para casa, pois o padrasto não deixava, prometeu à mãe que ia lutar.

Aos 14 anos nos Restauradores, juntou-se a um grupo que tinha como lema beber para esquecer, ele aderiu, e bebeu, bebeu durante 13 anos e nunca esqueceu.

De banho tomado nos balneários sempre que podia, roupas das associações, era um alvo fácil, para os companheiros que o viam como um pedinte de sucesso, fugiu.

O novo poiso, Santa Apolónia, lá fez amizades, andava de fato e gravata sempre, mas sempre bêbedo também.

Até que ficou muito doente, levado  pela Comunidade Vida e Paz ficou internado 2 meses, fez uma desintoxicação e ficou na Comunidade, começou a viver, tinha onde dormir e comer, livre do vicio.

Mas numa pneumonia teve novo revés, diagnosticaram-lhe o vírus da sida. “Na rua, também havia mulheres e eu estive com elas.” Não se deu por vencido.

Conheceu Filipa numa acção de voluntariado e apaixonaram-se, casaram, vivem numa casa camarária e ele trabalha, são felizes.

0 / 5. Votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este posto.

Partilhar este artigo