Avançar para o conteúdo

Cataratas – Sintomas e tratamento

A catarata corresponde a um embaçamento do cristalino – uma das estruturas oculares responsáveis ​​pelo foco das imagens e, como o nome sugere, é transparente – levando a uma deterioração da visão. Quando essa transparência é perdida, é mais difícil para a luz passar, portanto, a visão diminui.

A catarata pode afetar um ou ambos os olhos e se desenvolver em taxas diferentes em cada um deles. Não correspondem a uma doença contagiosa e, não são transmitidas de um olho para o outro.

A maioria das cataratas está relacionada à idade e corresponde a um processo degenerativo mais comum em idosos. No entanto, depois dos 40 anos, pode ocorrer algum grau de catarata, que geralmente não é acompanhada de sintomas.

A catarata continua a ser uma das principais causas de cegueira curável em todo o mundo. Em Portugal, estima-se que 170.000 pessoas tenham a doença, e seis em cada dez pessoas com mais de 60 anos apresentam sinais em toda parte. Nos estágios iniciais, a diminuição da visão pode não ser aparente.

Como o cristalino descolore durante o processo de formação da catarata, tornando-se mais amarelo e acastanhado, a visão assume uma tonalidade diferente, dificultando a distinção de certas cores.

Outros possíveis sintomas são:

  • Presença de halos ao redor das luzes
  • Diminuição da visão noturna
  • Visão dupla
  • Necessidade de trocar frequentemente os óculos graduados
  • Causas
  • Além da idade, pode ocorrer catarata com outras Condições relacionadas ou causadas por outras doenças:

Elas podem se formar após cirurgia para outro problema ocular, como glaucoma, e são mais comuns em diabéticos.
Desencadeadas por trauma ocular.
Em alguns casos eles são formados durante a vida embrionária e, quando densos, devem ser prontamente removidos para não interferir no desenvolvimento normal da visão durante a infância.
A radioterapia pode aumentar o risco.
Fumo, álcool, exposição prolongada a Os raios ultravioleta e uma dieta desequilibrada são outros fatores a serem considerados.
Diagnóstico
O diagnóstico é fácil, pois a luz da lente durante o exame oftalmológico é acessível. Assim, numa consulta de rotina, é possível observá-la diretamente e avaliar a presença de catarata.

A determinação da acuidade visual permite quantificar o grau de incapacidade causado pela catarata, aspeto importante no planeamento da operação.*100018 *
A observação do fundo e a medição da pressão intraocular são importantes para descartar outras formas de doença ocular.

Tratamento

Nos estágios iniciais, trocar de óculos, usar iluminação mais forte, usar lentes antirreflexo ou usar uma lupa para close-up pode ajudar a reduzir os sintomas da catarata.

O único tratamento definitivo, no entanto, é a cirurgia, na qual a catarata é removida e substituída por uma lente artificial.

A indicação para cirurgia está relacionada ao impacto da catarata na vida diária. Desde que o paciente tenha conseguido levar uma vida normal, ela pode ser adiada, desde que o procedimento não seja urgente.

Há casos em que a cirurgia é mais urgente, por exemplo, quando a presença de catarata impede outros tratamentos das oculares realizadas ou a correta observação do fundo de olho, essenciais para o acompanhamento de pacientes com retinopatia diabética ou degeneração macular relacionada à idade.

Como já mencionado, as cataratas congénitas são emergências médicas e cirúrgicas, e a sua a remoção é imperativa para o desenvolvimento normal da visão.

Se a catarata for bilateral, o olho com pior visão é geralmente operado primeiro, com o segundo olho sendo operado após um intervalo médio de um a dois meses.

A remoção pode ser feita por um processo que envolve a sua fragmentação por ultrassom, aspiração e colocação de uma lente intraocular, ou pode ser removida em bloco fazendo uma incisão maior e uma lente intraocular também é colocado.

Este tipo de cirurgia de lente é geralmente realizada em nível ambulatório.

Prevenção

A formação da catarata é quase sempre um processo inevitável relacionado com o envelhecimento das estruturas oculares.

Uma alimentação equilibrada, rica em antioxidantes, pode reduzir o risco do seu desenvolvimento liderar. Usar óculos escuros também é importante, assim como não fumar.

4 / 5. Votos: 14

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este posto.

Partilhar este artigo